17.5.08

Grey



Lois Greenfield

«Mãe,eu quero ir-me embora - a vida não é nada daquilo que disseste quando os meus seios começaram a crescer.O Amor foi tão parco,a solidão tão grande,murcharam tão depressa as rosas que me deram - se é que me deram flôres,já não tenho a certeza,mas tu deves lembrar-te porque disseste que isso ia acontecer.

Mãe,eu quero ir-me embora-os meus sonhos estão cheios de pedra; e quando fecho os olhos,só vejo uns olhos parados no meu rosto e nada mais que a escuridão por cima de mim...
... tenho a casa vazia...»

Maria do Rosário Pedreira, in O canto dos Ciprestes

2 comentários :

Estrelaminha disse...

boa tarde, Rv!
o que hoje está cinzento e vazio, amanhã está colorido e preenchido. ;-)
tenha um bom final de dia!
bjs

RV disse...

são dias... afinal o arco-iris tem tantas côres...

bjs